“Acácia – Presságios de Inverno” de David Anthony Durham

Continuação da história dos descendentes de Leodan Akaran, que foram separados após a tomada de Acácia pelo povo do Mein (ver Acácia – Ventos do Norte), ficando os quatro irmãos a crescer em culturas diferentes. .

Presságios de Inverno

A descrição das diferentes culturas em que os irmãos Akaran crescem é uma das características que mais aprecio em Acácia e que distingue esta obra dos tradicionais livros de fantasia, . Geralmente na fantasia, o que existem são diferentes raças que vivem em locais diferentes e que não se querem misturar, em Acácia os povos são todos humanos, que vivem com diferentes filosofias que vão de encontro a uma adaptação ao ambiente geográfico.

Outra característica que aprecio é a política que continua neste volume a assumir uns dos principais destaques, mostrando basicamente dois ideais, um representa o ideal do povo e classe trabalhadora, que quer igualdade, justiça, acabar com o consumo de drogas, etc.. O outro a política de quem está no topo, que envolve interesses económicos, jogos de poder, estranhas alianças e negócios obscuros.

Com estas caracterizações David Anthony Durham estabelece um paralelismo muito forte com o mundo onde vivemos e com a nossa história, o que demarca Acácia dos restantes títulos de fantasia.

Este volume traz uma dose de maior emoção para o leitor, enquanto o primeiro volume consistiu na introdução do reino de Acácia, este traz-nos grandes batalhas e cenários muito mais ricos para a imaginação do leitor.

Em “Presságios de Inverno” assistimos ao inicio e fim de uma curta era. O próximo volume deverá ser o início de uma nova era, por isso estou a contar que seja mais como o primeiro, muito enredo politico e pouca ação, em que o reino de Acácia se encontrará em paz mas numa situação de grande guerra iminente.

Comprar Acácia 1

Anúncios

“Acácia – Ventos do Norte” de David Anthony Durham

Acácia – Ventos do Norte é o livro 1 de uma coleção de 6. Originalmente uma trilogia, a editora Saída de Emergência decidiu dividi-lo em 6 volumes.

capa Ventos do Norte
Gostei bastante do “Mundo Conhecido” criado por David Anthony Durham, ao contrário do que acontece na maioria dos livros de fantasia, este mundo conhecido é muito semelhante ao nosso, pelo menos não existem sinais de humanoides como orcs, trolls, trollocs, Myrddraal, whitewalkers, necromancers ou semelhantes. A única raça diferente são os numreks, que fisicamente são descritos como mais altos, mais fortes fisicamente e pele mais pálida que o resto dos humanos que habitam o Mundo Conhecido.

Mapa do Mundo Conhecido

Mundo Conhecido
Li muitas criticas a referir este livro como cliché, quase descrito como sendo uma imitação de “A Song of Ice and Fire”. Eu achei “Acácia” bastante diferente, por não ser um livro dominado pela magia, pelo menos não foi referido neste primeiro livro que alguma das personagens tivesse poderes especiais tal como acontece em “A Song of Ice and Fire” em que várias personagens principais possuem poderes especiais, como é o caso dos Targaryen e das crianças Stark.
Na capa está escrito: “Uma saga que combina a ambiguidade moral e a brutalidade da obra de George R R Martin”, depois de ter lido o livro cheguei à conclusão de que esta frase não é mais do que uma manobra de marketing. Apesar de a ambiguidade moral e a brutalidade terem uma presença forte em “Acácia”, esta obra é bastante diferente da de George R R Martin e quem gosta de “A Song Of Ice And Fire” poderá não gostar de “Acácia”.

Principais personagens de Acácia

ACACIA_Wallpaper_personagens
É um livro que se foca na política e intriga e não nas batalhas, o que poderá constituir uma leitura monótona para alguns. É um livro que apela muito à razão, durante a leitura de “Acácia” dei por mim a fazer várias comparações com o que se passa neste mundo. Li Acácia e pensei – “mas que mundo mais violento e desigual que é este Mundo Conhecido”, um império dominado pelo tráfico de droga e de crianças, nações em patamares muito diferentes de desenvolvimento e culturas pouco ou nada semelhantes e claro a eterna luta pelo poder que originam as guerras e uma organização que tem mais poder que todos os reis. Penso melhor e faço uma analogia com este mundo e infelizmente o que se passa em Acácia passou-se no passado e passa-se actualmente no nosso planeta Terra – tráfico de droga, crianças raptadas (mulheres e homens também), temos o caso que se fala nos últimos tempos: que crianças trabalham em minas no Congo e outros países africanos, para que os ocidentais e as suas crianças mimadas tenham smartphones e tablets ao menor preço possível, e claro as guerras que estão sempre a acontecer em algum canto deste globo multicultural em que enquanto uns vivem de abundância, deitam toneladas de alimentos ao lixo e queixam-se de crise muitos outros passam  fome e frio. A foto em baixo não é de Acácia, é deste mundo, decidi colocar neste post para alertar para esta triste realidade.

Crianças a trabalharem nas minas do Congo, uma realidade que não é exclusivamente Acaciana, infelizmente é deste planeta Terra. Reportagem em The Price of Precious, pela National Geographic.

Gostei bastante do livro, e fiquei empolgado a ler o resto da coleção, espero que David Anthony Durham não decepcione e que escreva mais sobre o Mundo Conhecido.

Comprar Acácia 1