“Philosophy for Life: And Other Dangerous Situations” de Jules Evans

filosofia para a vida

Sempre que leio um livro sobre filosofia clássica fico abismado como homens à mais de 2000 anos atrás tinham ideias que ainda hoje são máximas para nos ajudar a viver melhor.
Jules Evans conseguiu reunir num livro várias correntes filosóficas clássicas, como: o estoicismo, o epicurismo, o cepticismo e as filosofias de Platão, Sócrates, Aristóteles. Diógenes e Plutarco, para mostrar como se pode viver melhor com os ensinamentos destes mestres. E não só fez um livro de bases teóricas, como foi à procura de exemplos de pessoas que passaram a viver melhor, com a aplicação prática dos conhecimentos dos mestres filósofos da Grécia antiga. Isso faz com que seja muito fácil para o leitor retirar aquilo que é mais proveitoso das ideias destes filósofos e em que situações é que se pode aplicar cada um dos conceitos filosóficos tratados no livro. Pelo menos para mim foi fácil filtrar aquilo que é importante e pode ser aplicado daquilo que não é. Na minha opinião estes filósofos defendiam tão aguerridamente os seus ideais, que por vezes estes caíam no exagero. E como é sabido, a dose faz o remédio e o veneno. Se estas ideias forem consumidos com moderação de certeza que a vida de quem os segue melhorará.
Resumindo – um excelente trabalho de Jules Evans, leiam que de certeza conseguirão viver melhor e mais felizes com a aplicação destes ensinamentos antigos.

Jules Evans FPAV

“Inteligência Positiva” de Shirzad Chamine

Este é um livro de auto-ajuda que deveria ter um rótulo a dizer: “obrigatório ler”. Assim como deveria ser um conceito abordado no ensino secundário.
inteligência positiva

Shirzad Chamine desafia o leitor a trabalhar a sua Inteligência Positiva, que era algo que eu desconhecia existir. Transcrevo um excerto do livro que define o que é a Inteligência Positiva:
“…a mente é o seu melhor amigo, mas também pode ser o seu pior inimigo. A Inteligência positiva consiste no equilíbrio de forças entre estas duas condições da sua mente. Uma Inteligência Positiva baixa é o oposto, correspondendo, pois, a um desequilíbrio desses dois modos da mente. Por outras palavras, a Inteligência Positiva ilustra o grau de controlo que uma pessoa detém sobre a sua mente e até que ponto ela serve os seus melhores interesses.”

Shirzad Chamine defende que cada pessoa possui um QP – Quociente de Inteligência Positiva. Passo novamente a transcrever um excerto com a definição de QP:
“O seu QP é a pontuação da sua Inteligência Positiva expresso num valor percentual situado entre 0 e 100. Com efeito, o seu QP é a percentagem de tempo que a sua mente atua como sua amiga e não como sua inimiga.Por exemplo, um QP de 75 por cento indica que a sua mente age como sua amiga durante 75 por cento do tempo e que nos restantes 25 por cento se encontra no modo de autossabotagem. Os períodos em que a mente se encontra em território neutro não contam.”

Shirzad Chamine

O autor defende que na nossa mente existem sabotadores que foram sendo enraizados devido à nossa educação, cultura, crenças, traumas.
Os Sabotadores, ou seja, os seus inimigos internos, são um conjunto de padrões mentais automáticos habitualmente presentes na sua vida. Cada um desses padrões é dotado de voz própria, crenças e pressupostos que contrariam os seus melhores interesses.”
E atribui nomes a esses sabotadores para que o leitor os possa identificar facilmente para que assim que começar a ouvi-los dentro da sua mente os possa silenciar e dar ouvidos ao sábio que existe dentro da sua mente. Os nomes são os seguintes:
O Juiz: é o sabotador principal, leva-nos a encontrar defeitos em tudo.
O Picuinhas: encarna a necessidade da perfeição, de ordem e de organização levada ao extremo.
O Aprazível: leva-o a procurar obter aceitação e afeto através da subserviência, do agrado, do auxílio e da adulação constantes aos outros.
O Ás: torna-o permanentemente dependente do seu desempenho e realizações para ter respeito por si próprio e obter validação interna.
A Vítima: o propósito deste sabotador é fazê-lo sentir-se emotivo e temperamental, e que esses estados constituem um meio de obter atenção e afeto.
O Hiper-Racional: atribui a supremacia ao processamento racional de todas as coisas, entre os quais as relações.
O Hipercauteloso: traz-lhe uma ansiedade intensa e permanente em torno dos perigos que o rodeiam e do que poderia correr menos bem.
O Inquieto: O Inquieto vive numa constante procura de mais empolgamento na atividade seguinte ou no afã permanente, impedindo que o leitor sinta paz e satisfação com o que está a fazer a cada momento.
O Controlador: é movido por uma necessidade ansiosa de tomar as rédeas, de conduzir as situações e de dominar as ações dos outros.
O Esquivo: desenvolve uma focalização excessiva no que lhe traz prazer e gratificação, evitando os conflitos e as tarefas difíceis e menos agradáveis.

Para aumentarmos o nosso índice de Inteligência Positiva devemos apaziguar os nossos sabotadores e dar voz ao Sábio, que representa a voz que nos encaminhará pelo bom caminho.
Segundo Shirzad Chamine, o Sábio detém cinco poderes que precisamos de aprender a seguir.
1) O poder de Explorar, com grande curiosidade e com uma mente aberta;

personagem_explorador2) O poder de criar Empatia consigo próprio e com os outros e de trazer compaixão e entendimento a cada situação;

empatia3) O poder de Inovar e de criar novas perspectivas e soluções improvisadas;

????????????
4) O poder de Navegar e de escolher um caminho que melhor se adeque aos seus valores mais profundos e à sua missão;

Navegar5) O poder de Ativar e de iniciar ações decisivas sem o desconforto, a interferência ou as distrações induzidas pelos Sabotadores.

ativar

O que o autor sugere para enfraquecermos os nossos sabotadores e darmos mais ouvidos ao nosso sábio é que façamos 100 exercícios diários em que apaziguamos por pelo menos 10 segundos a nossa conversa interior e passamos a dar atenção aos nossos sentidos, Como por exemplo quando começamos o dia, no duche em vez de estarmos a pensar como correrá o dia, passar a sentir a água quente a percorrer a nossa pele, o aroma do gel de banho. Quando tomamos o pequeno almoço, sentir a temperatura da bebida que estamos a tomar, a textura e sabor do pão. E manter isto ao longo dia, passando a estar em 100 períodos diferentes apenas a sentir.

5-senses

Eu tentei e resulta mesmo, este foi um dos livros que mudou a minha vida. E dito isto façam o favor de ler e de ser positivos, enfraquecendo os vossos sabotadores.

E visitem: positiveintelligence.com

A Arte de Não Amargar a Vida

A Arte De Não Amargar A Vida” do psicoterapeuta de Barcelona Rafael Santandreu, cujo título secundário é “Pensar Bem para Viver Melhor” é um pequeno livro de auto-ajuda que oferece pequenos ensinamentos para que o leitor possa refletir sobre os seus comportamentos e criar linhas de orientação para que possa ser mais forte emocionalmente e assim viver melhor e ser mais feliz. As lições deste livro baseiam-se na experiência profissional de Rafael Santandreu que recorre, em alguns casos, a exemplos de pacientes seus.

capaAtravés das 230 páginas do livro o autor mostra que as pessoas por norma sofrem emocionalmente e não são felizes porque geralmente têm uma filosofia de vida errada, têm uma tendência para dramatizar as situações, têm medos que as impossibilitam de viver uma vida em plenitude, não se aceitam como são, etc..

verso capaGostei também pelo facto de Rafael Santandreu, implicitamente, mostrar que o caminho para se desfrutar da vida não é fácil, ao contrário de outros livros de auto-ajuda. Como é o caso de “O Segredo” de Rhonda Byrne que o autor critica, que não li mas sei que o segredo consiste em: “…Parte-se do principio de que, sendo o universo feito de energia, tudo o que pensamos e sentimos se materializa nas situações de vida para o melhor e para o pior.
…Peça o que quer, acredite e não se preocupe com o modo de alcançar o seu desejo. Ele vai cumprir-se, graças à Lei de Atracção, conceito-chave do livro.” – eu não acredito em nada desta treta, e sou da opinião de que se acreditar muito nisto pode-se cair num mal que Rafael Santandreu fala: o neuroticismo – a arte de se afligir através da tortura mental – neste caso porque em muitos casos o desejo não se realizará. Acreditar não é suficiente para que as coisas aconteçam, é preciso muito trabalho, e mesmo assim às vezes elas não acontecem e temos que ser emocionalmente fortes para aceitar uma situação dessas e dar a volta por cima.

O que mais gostei neste livro foi:

– As histórias que o autor usa para exemplificar situações, umas vezes são contos antigos, outras vezes histórias do quotidiano moderno.

– As lições resumidas no final de cada capítulo.

– A sensação de que fiquei mais forte emocionalmente depois de ler este livro.

O que não gostei muito:

Rafael Santandreu

Rafael Santandreu

– Alguns exemplos estão mal conseguidos.

– Em alguns textos fiquei com a sensação de que Rafael Santadreu transmite a ideia de que para se viver melhor é necessário sermos um pouco apáticos, deixar as coisas rolarem, deixar alguns problemas de lado. Em vez de transmitir a ideia de que se deve ter consciência dos problemas e que com capacidade de reflexão e ideias quase todos os problemas podem ser resolvidos.

Recomendo este livro a todos aqueles que buscam linhas orientadoras para se tornarem mais fortes emocionalmente.

Nos próximos dias irei publicar no blog os ensinamentos relativos a cada capítulo do livro, em que 1 post corresponderá a 1 capítulo.

comprar AdNAaV